quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Poesia: Sopro de Deus



E para começar bem o feriado, hoje temos uma poesia que nos leva à reflexão, vale a pena conferir.




  
Eu era nada, quando o Sopro de Deus
Me tocou e eu despertei
E os meus olhos se abriram e a luz eu vi
Eu era nada, então despertei
 
Estava imóvel  e a tudo assistia
Era uma rocha de frente ao mar
Quando o sopro divino minh' alma tocou
E eu despertei do sono outra vez.
 
Eu era planta que ao Sol se erguia
Sentia a brisa do vento irmão
Tinha raízes tão fortes, tão forte crescia
Quando o Sopro de Deus minha alma tocou.

Estava livre corria nos campos
Podia pensar e escolher meu alimento
Na pele de tigres , leões e golfinhos
Minh’alma animal o Sopro de Deus
Novamente tocou.
 
Pois foi Deus quem tudo criou
E seu Sopro Divino à alma Ele deu
Ao mineral, vegetal, animal todos têm
A Alma pura de Deus Criador. 
 
E novamente Seu Sopro tocou-me
E a alma animal se elevou
Num homem forte me transformei
Mas me esqueci, como um dia comecei. 
 
Eu era rocha de frente ao mar
Hoje sou homem não sei mais sonhar
Tinha raízes tão fortes, tão forte crescia
Hoje me apego a matéria tão fria
 
Era animal aprendendo a amar
Sou hominal que não sabe amar,
As almas puras que Deus têm criado
Aos poucos eu mato, sem conhecer
Seu amor...

poema de autoria de Simone Nardi

Siga-nos por e-mail