quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Entrevista: Dr. Marcel Benedeti


Dr. Marcel Benedeti
A saudade é demais, o longo percurso iniciado pelo Dr. Marcel Benedeti continua a passos tímidos e persistentes.
A espiritualidade dos animais continua a ser o foco para o início de uma nova era. O Grupo Nosso Irmãos Animais, continua firme na estrada apresentada pelo Dr. Marcel, no grande propósito de levar o homem a compreender que todos nós somos irmão e estamos aqui no mundo para aprender e evoluir, cada um no seu momento, cada um em seu tempo.
Apesar de algumas críticas as pessoas já estão se conscientizando que os animais merecem (e tem) atenção da espiritualidade e que eles também se beneficiam dos tratamentos espirituais. Tornou-se constante recorrer ao tratamento espiritual concomitantemente com o veterinário. Obtém-se assim uma grande benfeitoria, ás vezes, também à animais desenganados pela ciência. Com isso, cresce o número de centros espíritas que se interessa em oferecer este tipo de trabalho aos tutores.
Você que acessou o blog, leigo ou não, com certeza possui muitas dúvidas. Arrisco a dizer que algumas só serão sanadas através de muito estudo da doutrina espírita e leituras sobre o assunto e mesmo assim dúvidas sempre existirão. Para esclarecer algumas questões disponibilizamos uma entrevista dada pelo Dr. Marcel Benedeti no ano de 2009 para o Jornal Nova Era*.

A iniciativa sofre ou sofreu algum tipo de resistência do movimento espírita e/ou dos espíritas e espiritualistas?
Assim como toda ideia nova sofre resistência, esta não poderia ser diferente. Houve desde o início resistência dentro do movimento espírita, principalmente porque no tratamento há imposição de mãos, tal como se faz com as pessoas. As pessoas contrárias à ideia de tratar animais em centros espíritas são vítimas do sentimento de orgulho, que não admite que seres considerados, até pouco tempo, como irracionais sejam tratados como o são os humanos. Entretanto, não levam em consideração que Deus não privilegia nenhum de seus filhos, e não daria aos humanos o privilégio de uma assistência espiritual para lhes aliviar algum sofrimento em detrimento dos animais, que são nossos irmãos. Digo que são nossos irmãos porque são filhos do mesmo Pai. Quem já teve oportunidade de ler a Codificação Espírita encontrará textos que dizem que fomos criados simples e ignorantes e evoluímos desde o átomo até o arcanjo. Como evoluir do átomo ao arcanjo sem passar pela fase de animalidade? As pessoas contrárias aos tratamentos espirituais em animais não levam em consideração os resultados nem o consolo preconizado pelo Espiritismo. Pois, embora os animais não entendam integralmente o que lhes acontece, as pessoas que se preocupam com eles sentem-se aliviadas também quando o sofrimento de seus amigos animais minora. Entre os espiritualistas encontramos mais apoio do que dentro do próprio movimento espírita. Parece estranho, mas é a realidade, e é possível que aconteça algo de que talvez o movimento se arrependa depois, isto é, eu creio que outras doutrinas possam vir a acolher o tratamento espiritual aos animais enquanto algumas pessoas do movimento espírita se distraem com seu orgulho. Sabemos que não importa quem trabalhará com eles, os animais, a fim de lhes aliviar o sofrimento, mas seria interessante que o Espiritismo fizesse isso, uma vez que a iniciativa partiu de dentro do movimento espírita. Mas percebo que aos poucos a resistência está cedendo. Ha instituições que abominavam nossos livros, agindo como se fossem a Igreja de outrora. Isso me dava a impressão de que se recriaria o Index proibitorum. Exageros à parte percebo que logo as coisas devem mudar para melhor.
Quais são os casos e/ou sintomas dos animais que são levados ao tratamento espiritual?

Em geral, aparecem animais que são levados depois de terem passado por diversos tratamentos físicos, sem sucesso. Os mais comuns são os cânceres e problemas ortopédicos graves, em que a eutanásia já havia sido aventada pelos médicos que os tratavam. Mas surgem animais com problemas dos mais diversos, incluindo os de origem emocional, gerados por energias adversas criadas no ambiente doméstico. Estes são os mais difíceis de tratar, pois envolvem mudanças energéticas do ambiente em que as pessoas, necessariamente, precisam mudar os seus modos de pensar e agir.
Animal sofre a chamada obsessão?
Não como acontece com as pessoas, mas como uma forma indireta de atingir as pessoas do ambiente em que vive o animal, o qual, comumente, é muito querido pelas pessoas atingidas. Em geral, os espíritos de baixas vibrações contaminam o ambiente doméstico com energias muito densas, que atingem os animais como se fossem petardos que os ferem profundamente, a ponto de adoecerem. É por isso que o ideal seria que as pessoas realmente se comprometessem com o tratamento, que tem muito a ver com elas também. Algumas não aceitam que haja uma parcela de responsabilidade nos processos patológicos que acometem os animais domésticos ou próximos. Então, de modo indireto acabam por sofrer obsessões, mas não acontece como se fossem escudos protetores de seus tutores (chamamos de tutores os que antes eram chamados de donos), poupando sofrimentos. Na verdade todos sofrem, incluindo o animal, que é a mais inocente das vítimas.
Qual a história mais interessante, ou mais de uma, de que você se lembra, de tratamento espiritual?
A mais interessante e a mais comentada é a que se refere à cadelinha Natasha, porque foi a primeira que se sobressaiu e chamou a atenção das autoridades científicas para o fato das curas espirituais. Natasha foi encontrada abandonada, com diversas enfermidades, incluindo um câncer, que, segundo um professor de uma universidade importante de São Paulo, não lhe permitiria uma sobrevida de mais de uma semana. O animal se curou do câncer (há comprovação laboratorial) em 3 meses, e viveu ainda mais um ano, quando morreu repentinamente, sem estar doente. Acho que era sua missão chamar a atenção da ciência. Assim como a história dela há inúmeras outras interessantes, como a de uma cadelinha que, também indicada para eutanásia, se recuperou da paraplegia e andou, contrariando todas as expectativas médicas. Poderíamos ficar horas relatando casos.
Em sua opinião, por que ainda existe um desrespeito tão grande em relação aos animais e, por parte dos espiritualistas, uma falta de compreensão maior a respeito da alma dos animais?
Apesar de o assunto não ser novo, isto é – o assunto “espiritualidade dos animais” não é novo – as pessoas o encaram dessa forma porque os animais são considerados seres de segunda categoria. Ainda assim, creio que a consciência em relação a eles, no que se refere a serem nossos irmãos, está alcançando patamares mais elevados em menos tempo do que aconteceu, por exemplo, com as mulheres, negros e escravos, que eram considerados seres de segunda categoria e, portanto, descartáveis. Em 1866, Kardec precisou publicar um artigo na Revista Espírita para explicar que as mulheres e os negros tinham alma, assim como qualquer homem branco. Os negros e as mulheres ainda eram considerados como se fossem animais, e os animais eram considerados como objetos (ainda são assim considerados legalmente). Não é triste saber disso? Entretanto, as pessoas, apesar dos pesares, começam a perceber as coisas, pois a própria ciência está demonstrando que os animais não são tão diferentes de nós como pensávamos. O DNA dos chimpanzés é apenas 1,2% a menor que o nosso. As seis barreiras que nos separavam dos animais a ponto de considerá-los irracionais se romperam, pois se sabe, hoje, que os animais pensam, sentem e são conscientes quanto ao que acontece ao seu redor. Eles transmitem cultura aos seus descendentes. Além disso, a ciência mostrou que eles captam nossos pensamentos por telepatia. Imagine o sofrimento de um animal que está prestes a ser abatido, ao ler o pensamento de seu algoz. Creio que em breve a ciência – e não a doutrina ou as doutrinas espiritualistas – promoverá os animais a ponto de considerar que eles merecem o melhor de nós, e que deveríamos cuidar deles como irmãos mais velhos que somos, e não explorá-los como mercadorias.
Para um público leigo, já que esta entrevista é publicada em vários meios, como você pode explicar a existência da alma dos animais, para que não exista confusão com a metempsicose?
O termo metempsicose se refere à possibilidade de a alma de um ser humano que morreu retomar um corpo físico em alguma categoria inferior da evolução, em um corpo de animal, por exemplo. Seria como se as águas de um rio pudessem subir contra a corrente e voltar à nascente. Isso vai contra diversas leis naturais. Seria como se um estudante de medicina que fosse reprovado em Fisiologia tivesse que voltar ao curso primário, para começar tudo outra vez até aprender Fisiologia. Seria perda de tempo. O ideal seria repetir apenas a matéria de Fisiologia e estacionar no curso, temporariamente. A alma do animal é semelhante a qualquer outra, de qualquer outro ser do Universo. Nada nos diferencia desses espíritos, que hoje estagiam na fase de animalidade, exceto pelo fato de que temos consciência de Deus e eles ainda não a têm. Mas somos todos espíritos em evolução. Poderíamos fazer uma comparação com os estudantes: nós somos aqueles que estão no curso superior (no meio do curso, pois ainda falta muito para nos formarmos), enquanto esses outros espíritos – hoje na fase de animais – estão talvez no curso médio. Os vegetais, talvez no curso básico; e os minerais, no “prezinho”. Um dia seremos arcanjos, e os outros seguirão os mesmos caminhos que nós. Se os auxiliarmos, estaremos não somente ajudando-os a evoluir, mas também a nós, pois estaremos pondo em prática o que aprendemos sobre caridade e amor ao próximo. Jesus disse para amarmos o nosso próximo, e os animais são nossos irmãos (filhos do mesmo Pai), e Gandhi disse que tudo o que vive é nosso irmão.
Fonte: Jornal Nova Era,2009 – “Manoel Fernandes Neto”

 

quinta-feira, 26 de abril de 2012

HOJE É DIA DE FESTA


E estamos oficialmente inaugurando o nosso blog NOSSOS IRMÃOS ANIMAIS.
Sim! Digo nosso, porque é também de todos vocês que nos prestigiam ouvindo o Programa Nossos Irmãos Animais na rádio Boa Nova AM 1450 Grande São Paulo / AM 1080 Sorocaba e Região / AM 1160 Rádio Mococa, São Paulo e Minas Gerais. E quem nunca ouviu, convidamos a ouvir e a participar do programa que está no ar todas às sextas-feiras às 17h00mim.
Uma idealização do Dr. Marcel Benedeti, veterinário, pioneiro no tratamento espiritual em animais. Quando encarnado nos prestigiou com sua sabedoria e orientações, foi pensando nisso que não poderíamos deixar esse ideal morrer. Este é mais um canal para ficarmos próximos.
Neste blog estaremos disponibilizando tudo o que se diz respeito aos nossos queridos animais. Abordaremos assuntos de extrema importância da parte espiritual e da parte física. O blog estará recheado de dicas de saúde, literaturas, reflexões, leis e tudo mais que se diz respeito ao universo dos animais.
Uma forma de contato mais direto com a equipe do grupo nossos irmãos animais.
Obrigada por nós prestigiar e siga-nos porque teremos sempre muitas novidades aqui para vocês.
Um grande abraço!

Da esquerda para direita Miriam Lúcia, Ivany Lima, Silvia Nogueira, Equipe Nossos Irmãos Animais, Cindy (Yorkshire) e Penélope (Maltês), frequentadoras assíduas dos trabalhos espirituais, no Centro Espírita Auta de Souza e também ouvintes assíduas do programa Nossos Irmão Animais na Rádio Boa Nova AM.

Siga-nos por e-mail